13 de set de 2011

VERGONHA, CARPINA


Vereadores de Carpina aprovaram um Projeto de Lei enviado pelo prefeito, no dia de ontem e votado as pressas no mesmo dia, a doação de um terreno a uma concessionária volkswagem de Timbaúba, em um local as margens da PE-90, uma das aréas mais valorizadas da cidade. O que nos deixou perplexos, foi que o projeto veio de urgência urgentissima, e os vereadores de situação solicitaram ao Presidente da casa que fosse votado no mesmo dia, a oposição não aceitou mais foi derrotada por 5 x 4. Os vereadores Charles Meira, Evaldo e Marta Guerra, ficaram envergonhados com a postura dos colegas e se retiraram do plenário, o vereador Cicero de Florestinha, votou contra. Nós carpinenses gostariamos de saber o que Carpina irar ganhar com essa doação, já que a concessionária já existe em Carpina em um prédio alugado em outro local. É uma coisa injustificável dizer que a concessionária irá empregar mais de 60 pessoas. O prefeito em sete anos de mandato não doou um só terreno a pessoas pobres do município,e agora comum Projeto fajuto, quer empurrar de goela abaixo essa pouca vergonha. Uma pergunta fica no ar: o que o prefeito está levando com isso, doando um terreno em um valor estimado em mais de R$ 3.000.000,00 faltando 1 ano para as eleições municipais.
A população tem de se manifestar, pois iremos ao MPPE, pedir providências para essa pouca vergonha.

6 comentários:

  1. botafogo passando o facão no que é do povo... isso é crime organizado! dele com os vereadores que votaram a favor.
    injustificável!

    ResponderExcluir
  2. joao marcos bezerra16 de set de 2011 15:54:00

    Caro Charles, considere isso uma crítica construtiva. Acho que voces estão mal acessorados. A oposição deveria se unir mais e ter alguem ligado ao marketing político. Não estou me oferecendo, muito longe disso. Queria apenas que um fato destes nao ficasse no esquecimento. Doar um patrimonio daqueles na vespera de uma duplicação de rodovia é algo que nao se mede o valor. ninguem tem noção de quanto vale aquele terreno, imagine após a duplicação.
    Peço que procurem tomar as devidas providencias em favor do povo, seja procurando orgaos competentes ou impetrando ações públicas.
    Só não devem esquecer do principal, o problema político gerado. e voces não estao se aproveitando disso. Este prefeito nao doou um unico terreno nesses anos de governo e vai doar justamente ao sr marinaldo. este senhor possui bens incalculaves, seja em distribuidoras de bebidas, frotas de caminhoes, supermercados etc...
    como um prefeito doa um terreno a alguem assim? pra gerar emprego? a agencia de carros dele ja existe.
    Junte a oposição. chame os vereadores. os pre-candidatos da oposição. cada um com seus acessores e amigos. façam faixas. chamem as instituicoes que nao foram beneficiadas pelo governo. convoquem todos para um dia de passeata em carpina. todos juntos na rua reclamando esta arbitrariedade.
    chamem o CQC, a globo, o sbt, a tribuna, record, etc. façam barulho.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. O abuso do poder.

    Todo poder é concedido.

    Tudo que é dado pode ser retirado, no entanto, muitas são às vezes, que pessoas recebendo a função de proteger o cidadão, usam desse instrumento concedido e se voltam contra a sociedade, provocando os mais perversos desatinos, geralmente, movidos pela ignorância ou por distúrbios de personalidade.

    Carpina sempre foi e é, uma cidade hospedeira, constituída de uma gente obreira, que constrói com dignidade a sua história.

    Nem todo mundo que chega a nossa cidade, entre tantos, compreende essa hospitalidade e interpretando-a como passividade inconseqüente quer fazer de nossa gente objeto de suas frustrações.

    Nossa cidade é nosso lar. O que acontecer a qualquer Bocaiuvense está acontecendo a cada um de nós, pois não existem cercas ente os nossos sentimentos e o casamento da amizade e do respeito é nosso maior legado.

    Somos por natureza uma família só, daí o nosso sentimento de hospitalidade.

    A liberdade se conquista a cada instante e a vigilância permanente, é a única garantia, que seremos livres no próximo passar do tempo.

    O evento que passageiro marca a existência inteira, pois a vida não aporta no instante, como se vivêssemos aos pedacinhos em instantes escolhidos: vivemos a vida por completo por escolha ou por omissão.

    Não existe como aceitar a imposição de uns sobre os outros, particularmente de origem do concedido, já que se concedeu por confiança ou merecimento.

    Quando se perde a confiança quando se trai o merecimento troca-se o poder pela imposição, a segurança pela repressão, e a liberdade pelos grilhões do insano.

    Não há como se confundir hospitalidade com tolerância impune.

    Existe o limite do tolerável, depois disso só a decadência da dignidade.

    E perdido a dignidade, nada mais existe a perder.

    CONTEÚDO RETIRADO DA INTERNET, QUE SE APLICA DE FORMA CONHECIDÊNTE
    AO CASO RELATADO NESTE POST.
    TEXTO ORIGINAL
    Roberto Ribeiro de Andrade
    Presidente da Associação Comunitária de Comunicação Sócio-cultural ACONSOL MG.

    ResponderExcluir
  4. SOBRE O ARTIGO: VERGONHA CARPINA, PUBLICADO NO BLOG DO CHARLES MEIRA.

    O abuso do poder.

    Todo poder é concedido.

    Tudo que é dado pode ser retirado, no entanto, muitas são às vezes, que pessoas recebendo a função de proteger o cidadão, usam desse instrumento concedido e se voltam contra a sociedade, provocando os mais perversos desatinos, geralmente, movidos pela ignorância ou por distúrbios de personalidade.

    Carpina sempre foi e é, uma cidade hospedeira, constituída de uma gente obreira, que constrói com dignidade a sua história.

    Nem todo mundo que chega a nossa cidade, entre tantos, compreende essa hospitalidade e interpretando-a como passividade inconseqüente quer fazer de nossa gente objeto de suas frustrações.

    Nossa cidade é nosso lar. O que acontecer a qualquer Carpinense está acontecendo a cada um de nós, pois não existem cercas ente os nossos sentimentos e o casamento da amizade e do respeito é nosso maior legado.

    Somos por natureza uma família só, daí o nosso sentimento de hospitalidade.

    A liberdade se conquista a cada instante e a vigilância permanente, é a única garantia, que seremos livres no próximo passar do tempo.

    O evento que passageiro marca a existência inteira, pois a vida não aporta no instante, como se vivêssemos aos pedacinhos em instantes escolhidos: vivemos a vida por completo por escolha ou por omissão.

    Não existe como aceitar a imposição de uns sobre os outros, particularmente de origem do concedido, já que se concedeu por confiança ou merecimento.

    Quando se perde a confiança quando se trai o merecimento troca-se o poder pela imposição, a segurança pela repressão, e a liberdade pelos grilhões do insano.

    Não há como se confundir hospitalidade com tolerância impune.

    Existe o limite do tolerável, depois disso só a decadência da dignidade.

    E perdido a dignidade, nada mais existe a perder.

    TEXTO ORIGINAL
    Roberto Ribeiro de Andrade
    Presidente da Associação Comunitária de Comunicação Sócio-cultural ACONSOL MG.

    ResponderExcluir
  5. Ola amigo obrigado o Jaboatão em foco eo Blog do Birosca Tambem esta nesta luta
    http://blogdobirosca.efoco.com.br/ministerio-publico-e-acionado-em-carpina.html

    ResponderExcluir